Páginas

quinta-feira, 22 de outubro de 2009


A mulher de pedra


Beleza fria, tal um mármore
Sorriso gelado, amarelado
Quem foste ontem?
Quem és tu agora?
A tua cor desbotou,
A palidez aparente do medo...
Sombra louca de um passado...
O olhar perdido sem brilho
Desconheço o teu rosto sombrio
Estatueta de pedra
O mofo da frieza declarada,
Já apodrecido te engole.

Autora: Dora Duarte

2 comentários:

Amapola disse...

Dôra, esse negócio de lareira, é bonito, mas é perigoso também, né?
Imaginei você tentando ir à missa...
Depois que passou, é fácil rir, né?

Amapola disse...

Lindo...

Copyright © 2011 Fazenda de poemas poesias e contos.
Template customizado por Meri Pellens. Tecnologia do Blogger